Clã Toreador

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Clã Toreador

Mensagem por Eros em Ter Jan 10, 2017 2:09 pm

Tradução livre por Luciano Rodrigues, de: Whitewolf Wikia Toreador


Nome: Toreador
Pronúncia: Tor'-ey-ah-dohr '
Sobrenomes: Degenerados, Artistas (arcaico), Estetos, Vanitas, Epicuristas (renascimento), Torries
Antediluviano: Arikel
Facção: Camarilha
Disciplinas: Auspícios, Rapidez e Presença

O Toreador são um clã de vampiros conhecidos por terem alguns dos mais belos, sensuais, sedutores, emocionais e glamourosos Cainitas. Eles são responsáveis ​​pelas lendas de vampiros que seduzem e atraem sua presa com beleza, amor e sensualidade. Famosos e infames como um clã de artistas e inovadores, eles são um dos bastiões da Camarilla, assim como a sua própria sobrevivência depende das fachadas de civilidade e de graça em que a seita se orgulha.

Devido à sua inerente fraqueza de clã, embora adoráveis e sedutores, os membros deste clã são tanto prisioneiros de sua visão artística e de sensibilidade, quanto são seus beneficiários. Eles são muitas vezes superados pela beleza que os cercam e podem ficar em transe com este fascínio. Tais como pinturas, sinais de néon, ou mesmo nasceres do sol podem cativá-los. Para não ser preso é exigido um sucesso em um teste de Autocontrole/Instinto (dificuldade 6) [V20] para quebrar o fascínio rapidamente; Caso contrário, o Toreador ficará de pé, impassível e desamparado, por minutos ou mesmo horas. Esta característica explica por que Toreador tão frequentemente se apaixonam por mortais e outros vampiros. Esta característica, no entanto, também os proíbe de alcançar a perfeição na sua forma escolhida de arte e os torna insensíveis e desprezíveis uma vez que a experiência se torna banal, resultando em trilhas de mortais destruídos e projetos descartados por onde passam os Toreador.

História:
Diz-se que a fundadora do clã, Arikel foi uma pintora mortal ou escultora na Primeira Cidade. Famosa em todas as terras por seu trabalho, depois de seu abraço ela pintou um mural sobre o qual o passado, o presente e o futuro da sociedade Cainita foi representado. Quando Caim viu um terrível futuro para sua raça, ele a amaldiçoou com a aflição que afeta os Toreador hoje - a arte que ela mais amava agora seria sua obsessão e distração acima de todas as coisas.

Os Toreador tem uma forte presença no início culturas menores da Grécia. O Toreador atribui muitos dos contos clássicos como versões distorcidas da interferência real de mortais e Cainitas (como o conto do Minotauro ou o conto de Tântalo e Pélops). Suas disputas, no entanto, enfraqueceram a primeira civilização de Macedônica, como as crianças tiraram o sustento da sua população, que por sua vez se tornou demasiada fraca para se defender de invasores estrangeiros. Após a queda dos Macedônios para os Dsório, os Toreador atravessaram o Mediterrâneo, muitas vezes à procura de abrigo para os Ventrue romanos ou os Brujah cartagineses.

No início, os Toreador apoiaram ambos os lados em sua luta, mas quando ficou claro que Cartago perderia, muitos Toreador abandonaram a cidade e se juntaram às forças romanas, trazendo com eles contos de deboche e infernalismo que impulsionaram os Ventrue a trazer completamente a cidade ao chão. Os Toreador começaram a insinuar-se na cidade, competindo frequentemente com os Ventrue e Malkavianos. Quando a glória de Roma começou a desvanecer-se, um deles, o Toreador Mi-Ka-Il, abandonou Roma para seguir Constantine para a Nova Roma, para construir o Sonho que tinha falhado em Roma, desconcertando muitos Anciões Toreador. Constantinopla permaneceu um farol de poder e glória Cainita, até que a cidade foi saqueada pela Quarta Cruzada em 1204 e a população Cainita original fugiu ou foi destruída.

Idade das Trevas:


Clã Toreador c. 1197-1242

Na idade média, os Toreador foram membro dos Altos Clãs, e seus números foram compostos dos mesmos tipos que são comuns nas noites modernas - menestréis, pintores, poetas e atores. Muitos Toreador insinuaram-se nas estruturas da Igreja Católica, primeiramente pois a Igreja era a única defensora da arte nestes tempos sombrios. As Cortes do Amor que abrangeram grande parte da França, estavam firmemente sob seu controle.

Após a formação dos Camarilla graças aos esforços do Toreador Rafael de Corazon, alguns dos membros deixaram o clã durante a formação do Sabá, a mais famosa Arianne de Esztergom. os Toreador antitribu são o reflexo sombrio de seus primos da Camarilla - mesmo sendo lindas borboletas sociais, sua fraqueza os distorceu ao ponto de todos os antitribu extraem alegria do sofrimento emocional, físico e mental dos outros.

O Renascimento é bem lembrado como uma Era de Ouro do Clã entre os Anciãos. Como um dos clãs mais poderosos dentro da Europa, os Toreador prosperaram na França como centro cultural da Europa, apreciando as obras de vários novos artistas como Michelangelo e Da Vinci, bem como as obras de Shakespeare e a invenção do espelho. Muitos Toreador começaram a se afastar do preservacionismo espiritualmente motivado para um hedonismo egoísta que os aflige até hoje.

Era Vitoriana:



Clã Toreador c. 1880-1897

Os Toreador revelaram-se na idade vitoriana. A Revolução Industrial levou a um fenômeno que só os ricos possuíam até então: tempo para lazer. Auge de teatro, música e arte começou em nexos culturais como Nova York, Londres e Paris e se espalhou por todo o mundo. Enquanto a influência da Igreja na vida das pessoas (e, conseqüentemente, a influência Toreador sobre a igreja) diminuiu, os Vampiros que se prendiam aos homens de negócios prosperaram. Possivelmente a única coisa que os Toreador amam mais, com exceção da beleza, é o dinheiro, e agora era acessível a partir de outros lugares do que a aristocracia terrateniente da época. Enquanto o Clã teve picos e depressões, este foi um momento que os cimentou como um verdadeiro poder na Camarilla.

Noites Finais:
Os Toreador divertem-se com seus jogos como sempre, embora num ritmo um pouco mais frenético devido à agitação das várias revoltas que a Camarilla tem combatido. As inovações recentes do cinema, da televisão e da internet significam que novas formas de arte e expressão estão sendo descobertas quase diariamente, o que significa que os Toreador se tornaram ainda mais variados.

No entanto, os Toreador ainda são um clã nobre e aristocrático, e muitos percebem o abraço de artistas de graffiti, magos de Wall Street e técnicos CGI como uma poluição dos ideais vangloriados que o Clã costumava representar. Muitas noites são preenchidas com disputas entre Toreador sobre o que pode ser considerada verdadeira arte, e a opinião de cada Toreador é tão variada quanto a definição da própria arte.

Organização:
Os Toreador de uma cidade se organizam em Guildas. Enquanto isto gera um círculo artístico, a maioria dos Toreador na cidade são seus membros, sejam eles Blefadores ou Arteiros (veja abaixo). O Mestre da Guilda é tipicamente o mais antigo e influente Toreador da cidade, com os outros membros formando um complicado sistema social estratificado, cujas regras não costumam fazer sentido aos outros Clãs.

O próprio clã tem duas divisões. Os Arteiros que são os escultores, os pintores, os músicos e os escritores. Eles se consideram os Toreador 'reais' como herdeiros dos valores e objetivos originais do Clã. Os Blefadores, por sua vez, podem incluir os artistas fracassados (ou aqueles que foram abraçados enquanto seu Senhor estava seguindo uma moda particular), bem como os críticos profissionais e aqueles que consideram seus corpos a obra-prima da sua não-vida. Deve ser notado que nenhum grupo tem um apelido para si próprios - eles tendem a ser usados apenas contra seus oponentes de forma pejorativa.

Mas estas divisões não são eternas, na não-vida de um membro. Um Toreador pode ser considerado Arteiro em uma época, pode ser considerado um Blefador em outra, e retornar aos Arteiro no período seguinte.

Cultura:
Diz-se que enquanto os Ventrue são a mente da Camarilla, os Toreador são sua alma. Foi um deles, Rafael de Corazon, que foi protagonista em sua formação. Os Toreador são os maiores patrocinadores de muitas das tradições da Camarilla, mais notavelmente a do Elísio. Este é o lugar onde os Toreador estão em seu habitar natural, mostrando suas últimas peças e praticando sua forma altamente eficaz (e às vezes mortal) de manobras sociais. Por fora, a maioria dos outros clãs vislumbram um rosto dos Toreador, mas vêem outro. Quando são o tópico aos outros clãs, a maioria imagina os Toreador como os Artistas - engomados almofadinhas delicados que vangloriam-se da beleza das Eras e lamentam sua humanidade perdida. Na realidade, os forasteiros ao clã estão menos propensos à ​​encontrar tais personagens, dado que estão constantemente sequestrados por sua obra-prima mais recente. Muito mais frequentemente encontrar aqueles Toreador cujas não-vidas são dedicadas à cena social Cainita - Toreador são, muitas vezes, um grande contingente das Hárpias da cidade, e de ter passado anos com seus companheiros de clã mais "vadias" e conspiradores, eles são mais do que capazes de arruinar a reputação de alguém com uma simples retaliação cheia de significados ou uma sutil fofoca condenatória sussurrada na orelha certa.


O Toreador se apresentam como os vampiros mais próximas dos vivos, sopro de vida dos seres humanos ao seu redor (embora esta honra pode ser compartilhada com o Brujah). Eles afirmam que isso é o que os mantém tão vivos e atualizados. Na verdade, os membros do clã são frequentemente os primeiros a perceber o que os mortais estão usando, comendo, comprando e com quem estão dormindo. Enquanto um ancião Malkaviano pode ser encontrado em sua elegância de 1800, o Toreador é muito mais provável que esteja vestindo algo das passarelas de Paris deste ano. Muitos Toreadores adoram ter "famílias" mortais ou assumirem identidades mortais, a fim de capturar o sopro da vida que lhes é negado. A pressão constante que a proximidade aos mortais pode provocar, no entanto, a quebra um Toreador, perdendo toda a sua criatividade e motivação no processo, resultando em um indivíduo pervertido que procura desesperadamente o próximo estímulo para experimentar a sensação de ser Mortal novamente, acabando por se entregar à vícios mortais, como drogas, a fim de sentir apenas este aspecto. Quão mais velho um Toreador se torna, e quanto mais mortais estimados por ele morrem, mais provável um "esgotamento" é de ocorrer. Outros vampiros também têm que lidar com isso, mas nenhum Clã sofre tão uniformemente sob este aspecto de sua existência do que os Toreador.

A Arte:
A arte é o pilar do clã, definindo sua Maldição de Clã e moldando as preferências de cada Toreador. Os Toreadores não são artistas por escolha tanto quanto são por natureza, como cada Toreador procura desesperadamente algo que ancore sua paixão e a preserve de minguar com o passar do tempo. O desejo de preservar a arte e os artistas é - na maior parte das vezes - o ímpeto para um abraço. Como tal, muitos Toreador lutam quando descobrem que o talento que originalmente os trouxe ao Clã está saindo de moda ou que a sua criatividade tem sofrido o peso das Eras. A relatividade da arte é um dos principais pontos de conflito dentro do Clã, especialmente entre Anciões e Neófitos, que se recusam a pensar em desenvolvimentos modernos (como Dubstep ou dadaísmo) como uma "forma de arte", enquanto os Neófitos são muitas vezes frustrados sobre a conformidade de Arte que os Anciãos parecem esposar.

As formas comuns de arte aceitas podem ser quaisquer dentro do Clã, desde que seja prestigiosa (cozinhar, por exemplo, não é uma forma amplamente difundida de arte dentro do Clã, principalmente devido à incapacidade vampírica de realmente consumir o alimento). Pintura e escultura são os mais emblemáticos, mas os Toreador também possuem uma porção justa de poetas, artesãos, dançarinos, atores, músicos e até mesmo guerreiros e artistas marciais. A vingança (também chamada de "justiça" por Neófitos com hábitos morais) e intriga também são consideradas formas de arte e muitos Anciões Toreador comprometem-se completamente a isso, tendo encontrado maneiras de esmagar completamente seus rivais e levá-los ao suicídio sem sequer levantar uma mão.

O Abraço:
Como dito antes, há dois moldes brutos base aos membros do clã. Os artistas compõem uma grande parte do clã, que nas noites modernas podem incluir artistas de computação gráfica, artistas de performance de vanguarda e desportistas, lado-a-lado de cantores, dançarinos e escritores. A outra parte é constituída por empresários, críticos e aqueles que são simplesmente lindos. Enquanto os principais difamadores do clã, muitas vezes, os Nosferatu e os Brujah se queixem de que os Toreador mimam suas crias, a verdade é muito mais brutal. Os Senhores Toreador são notoriamente caprichosos, e enquanto suas Crias podem ser o mais moderno, o mais inovador, o mais bonito, o mais "agora", eles podem facilmente ser terrivelmente obsoletos e embaraçosos na semana seguinte. O Senhor, então, inevitavelmente "dispensa" sua uma nova Cria assim que possível, deixando o jovem vampiro confuso e esforçando-se para fazer seu próprio caminho. Tal é a natureza dos Toreador.

Criação de Personagem:
Atributos Sociais[/color] são quase sempre primários, com boa distribuição entre Talentos, Perícias e Conhecimento, dependendo do que distingue o Toreador em questão. Costumam cultivar com grande apreço: Aliados, Contatos, Domínio, Refúgio, Mentor, Recursos e Lacaios. Alguns Sábios desenvolvem suas Virtudes, Humanidade (ou Trilha), ou Força de Vontade, já que com uma não-vida de degeneração, precisam frequentemente lidar com a horrível situação de colocar a Besta no cabresto.

Aparência:
Até o último dos seus, são atraentes de alguma forma, seja como a tradicional beleza de modelo de passarelas ou o perigoso fascínio de algo mais predatório. Os Degenerados ampliam sua beleza física com um senso pessoal de estio, que pode ser desde caríssimas couture, roupas de rua vanguardistas, ou moda clássica projetada para enfatizar suas qualidades mais atraentes. Nem é preciso dizer que Toreador feio não existe (ao menos assim diz o clã). Para compensar, aqueles desprovidos de beleza física, apostam fortemente em acessórios.

Refúgios:
Os Degenerados não poupam quando o assunto é projetar seu "estilo" sobre seus refúgios, normalmente com obras de arte. É um orgulho entre os Toreador possuir um não-convencional (e assim, memorável) refúgio com confortos modernos; apesar de muitos possuirem lofts e coberturas arrebatadoras, reaproveitam ou reformam tudo desde aquários abandonados, igrejas seculares à jardins na cobertura ou convertendo galpões em galerias nos bairros mais alternativos. Agora, sobre compartilhar Refúgios: Que déclassé!

Antecedentes:
Muitos Toreador ascendem da alta-sociedade ou de boêmios. É certo que muitos sejam artistas ou influentes na cena artística local ou outra subcultura. Atores, cantores, músicos, escultores, poetas, dramaturgos, autores e pessoas criativas podem encontrar um lar no Clã, assim como aqueles que se dedicam à patronagem (ou viajam na comitiva) destes tipos artísticos.

Variações do Clã

Ray'een al-Fen:

Apelidos: Escribas
Facção: Ashirra
Disciplinas:

Os Toreadors islâmicos são os Ray'een al-Fen, apelidados de escribas, já que a maioria são calígrafos, escritores e arquitetos. Eles são centrados no Egito e na Pérsia, nas melhores partes da cidade, decorando seus refúgios com caligrafia, geralmente versos do Alcorão. Por esta razão, os escribas encorajaram a educação nas sagradas escrituras, para permitir que os mortais compreendam melhor as artes caligráficas diante deles.

O bay't enfrenta uma quebra entre os mais velhos e recém-nascidos. Enquanto os Anciãos procuram preservar todas as formas de arte, incluindo ídolos de religiões perdidas e artes representativas, os jovens escribas vêem isso como uma afronta contra Allah e geralmente estão prontos para usar a violência para removê-los. [1]

Toreador antitribu - Auspícios, Rapidez e Presença:


Fundador: Melinda Galbraith
Apelidos: Pervertidos / Pervs
Facção: Sabá
Disciplinas: Auspícios, Rapidez e Presença

Fraqueza [V20]: Com o tempo, a propensão dos Toreador em fascinar-se pela beleza foi distorcida nos Antitribu, em uma necessidade perversa por crueldade. Toda vez que encontram-se na oportunidade de inflingir dor emocional ou física - um cativo que pode ser torturado, ou um pupilo/protegido cujas ambições podem ser esmagadas - os Toreador Antitribu precisam testar seu Autocontrole/Instinto (dificuldade 6), ou gastar um ponto de Força de Vontade - se a rolagem falhar o jogador precisa entregar-se à crueldade imediatamente.

Os Toreador antitribu são o obscuro reflexo de seus parentes da Camarilla. Embora eles não sejam menos belos são do que seus parentes de Clã, suas mentes são torcidas e deformadas, e os antitribu muitas vezes se fascinam admirando o sofrimento alheio; mas, assim como seus irmãos da Camarilla, também se fascinam admirando a uma bela pintura.

Se a variação da fraqueza dos antitribu é apenas devido às suas circunstâncias ou se é uma variação de Linhagem, é tema de discussão. Apesar de Melinda ser uma antiga muito conhecida por se tornar Antitribu, não necessariamente toda a linhagem descende dela, mas muitos Toreador exposto por muito tempo à inumana condição do Sabá podem passar a apresentar o complemento da fraqueza desta Linhagem.

O Abraço

Criação de Personagem:
Os Toreador do Sabá possuem conceitos artista, diletante, ou apresentador, à não ser que não venham da linha criativa do clã. Seus Comportamentos são extravagantes e suas Naturezas: únicas, sendo estas egoístas, vaidosas, ou de outra forma egocêntricas. Atributos Sociais são quase sempre primários, seguidos pelos Mentais. Talentos e Perícias têm precedência sobre Conhecimentos, já que os Pervertidos preferem fazer do que saber. Antecedentes comuns costumam ser: Contatos, Fama, Rebanho, Recursos, Lacaios e Status Sabá. Os Toreador Antitribu costumam manter Humanidade por alguns anos, mas quase sempre "transcendem" para a Trilha da Morte e da Alma, Trilha de Cataros, ou Trilha do Poder e Voz Interior.

Aparência:
Muitos Toreador Antitribu são atraentes - normalmente, até mesmo, horripilantes - ou ao menos extravagantes. Se vestem na última e mais barulhenta moda, e muitos usam jóias chamativas em seus piercings ou em suas complexas tatuagens. Divertem-se com os cortes de cabelo mais vanguardistas, músicas mais alternativas, e usam gírias mais descoladas das ruas. São tudo o que qualquer pessoa gostaria de ser - ao menos na superfície.

Refúgio:
Os Pervertidos costumam manter apartamentos ou lofts na parte da cidade mais descolada. Nas cidades de domínio Sabá, misturam-se com os belos da alta-classe local, comparecendo à inaugurações teatrais, exibições de arte, e festas privativas, e mantém refúgio no coração da cidade. Se um Toreador Antitribu precisa passar algum tempo em um refúgio comunitário é, normalmente, porque a ele foi solicitada a organização de algum evento Sabá. Não que os Pervertidos tenham problema com seus companheiros de Bando, necessariamente; eles simplesmente não gostariam de compartilhar a atenção que recebem, ou serem "vistos em".

Antecedentes:
Os Toreador Antitribu costumam escolher suas crias de uma variedade maior do que suas contrapartes da Camarilla. Eles abraçam dos básicos: artistas, escritores, ou tipos criativos, mas também as escolhem entre médicos ou militares - qualquer um que julguem praticar seu talento de forma exemplar. Normalmente costumam observar seus pretendentes por meses ou, até mesmo, anos, para assegurar que tenham talento e habilidade para manter o interesse de seus colegas de clã e serem úteis ao bando como um todo. Os Pervertidos não costumam escolher crias superficiais, ao contrário da imagem que apresentam, e mais de um Sabá arrogante descobriu dolorosamente que os Pervertidos não são os "viradinhos artistas moles ou as líderes de torcida entusiasmadas" que eles imaginavam. Permitir que seus rivais os subestimem é a melhor forma de manter a dianteira, como muitos vampiros já devem saber muito bem.

Filhas da Cacofonia - Fortitude, Melpominee e Presença:

Tradução livre por Luciano Rodrigues, de: Whitewolf Wikia Daughters of Cacophony


Nome: Filha da Cacofonia
Plural: Filhas da Cacofonia
Apelidos: Sereias
Fundador: possivelmente Dr. Reiner Stoschka [S2] e uma Toreador desconhecida
Facção: Independentes, ou normalmente Camarilla
Disciplinas: Fortitude, Melpominee e Presença
Clã-pai: Malkavian e/ou Toreador , possivelmente Ventrue ??
Fraqueza: Em linha com sua inclinação particular para a música, uma Filha da Cacofonia será constantemente capaz de ouvir uma música interior fluindo através de sua mente. Por mais bonita que pareça essa música, ela também os impede de servir como uma distração constante, tornando mais difícil para as Filhas da Cacofonia perceber as coisas ao seu redor (+3 dificuldade de Percepção e Prontidão não pode ser maior que 3). É óbvio que essa fraqueza poderia dar crédito às afirmações das Filhas sendo linhagem malkaviana, visto que estão permanentemente perturbadas com alucinações auditivas.

"Ouvi a música como eu morrer, ela me levou para fora da escuridão e do frio, e ele veio aos meus lábios com o sangue da minha mãe-irmã. E agora eu canto, porque terminar a música seria acabar com tudo."

Lendas da Origem:
As Filhas da Cacofonia são uma linhagem de origem desconhecida (embora os palpites mais comuns são Toreador ou Malkaviano) para a população de vampiro em geral. Atualmente composta na maioria por mulheres (antes os membros do sexo masculino foram dizimados por alguma razão), as Filhas praticam Melpominee, uma disciplina que permite que as Filhas invoquem efeitos estranhos através do canto. As Sereias são as cantoras por excelência dos mortos-vivos, e hospedar uma reunião delas vale alto prestígio para os Toreador.

Acredita-se que tenham origens em ambos os clãs: Malkaviano e Toreador, as Filhas são poucas em número e rejeitam associação quer com a Camarilla ou com o Sabá. Como seu apelido "Sereias" sugere, as Filhas são conhecidas por sua capacidade de entregar emoções através do canto. Elas têm uma disciplina única chamada Melpominee (de Melpomene , musa da tragédia) que faz exatamente isso.

Outra lenda dita que foram vstas pela primeira vez no século XVII (V20: XIX). Há uma lenda, de um majestoso cantor Toreador que buscou o segredo de um cantor Fada rival. A ele foi ensinado os segredos mais profundos da Música das Fadas. Certo dia, centenas de anos no futuro, apareceu novamente. [RDM] especula outra origem para a linhagem, envolvendo os Lamia e as canções de Lilith. Também poderia ser vistas como linhagem Malkaviana, mas poderiam ser Ventrue... Em várias versões (não V20) os homens da linhagem (Filhos da Dissonância) foram completamente exterminados por suas irmãs.

Regra da Casa: Filhos da Dissonância existem em raridade e, se descobertos são implacavelmente caçados.

História:
Muitos Cainitas suspeitam que as Filhas sejam originárias do clã Toreador porque são mestres de canto e valorizam a beleza e a arte. No entanto, aqueles que realmente sentiram os efeitos de seus poderes pensam que os Malkavianos são mais os mais prováveis originais. A música interna que elas ouvem constantemente pode ser chamada de alucinação, o que também aponta para os malkavianos. No entanto, por causa de suas disciplinas a edição de aniversário de 20 anos também sugerem os Ventrue. Há algumas teorias sobre a origem das Sereias:

Idade das Trevas:
Embora as Filhas da Cacofonia sejam um fenômeno relativamente moderno, uma fonte sugere que elas têm sua origem na Idades das Trevas. De acordo com esta lenda, um cantor Toreador chocou-se com uma canção proveniente de uma colina distante e percebeu que seus próprios talentos palideceram em comparação à esta voz misteriosa. A princípio, arruinado de ciúmes, ele procurou destruir esta cantora desconhecida, mas com o passar do tempo ele ficou obcecado e, humilhado, procurou a cantora, para que pudesse estudar sob a tutela desta musa escondida. A cantora misteriosa, uma dama Fada, aceitou o Toreador em seu domínio das fadas. O destino deste cantor Toreador é desconhecido, embora alguns de seus companheiros de clã afirmem ter ouvido duas vozes cantando em uníssono abaixo da terra.
VTDA : Libellus Sanguinis 2: Guardiões da Palavra, p.43 e o Leis da Noite apoiam esta teoria.

Era Vitoriana:
Outra fonte sugere que a linhagem foi fundada pelo Malkaviano Dr. Reiner Stoschka e sua Sociedade de Cavalheiros para a Investigação Racional de Assuntos Sper-Naturais. Eles realizaram experimentos em Cainitas para determinar se os traços em comum dos clãs, tais como os fraquezas e afinidades para certas disciplinas, eram de natureza psicológica. No entanto, os experimentos levaram suas cobaias à loucura. Uma destas foi uma Toreador, que achou que a única maneira de diminuir sua própria dor era compartilhá-la com os outros. E para fazer isso, ela cantou. Embora apenas implícito, o experimento de Dr. Stoschka permanece como a única explicação explícita e oficial para as origens da linhagem, embora o fato de que elas apareceram pela primeira vez pelo século XVII conflituam com esta teoria, uma vez Victorian Age se passou entre 1880-1890. ([VA:V] Era Vitoriana: Vampire Rulebook , pp 157-158) É, no entanto, a certeza de que as filhas estavam no auge de sua popularidade durante a era vitoriana, especialmente sobre os mortais. As óperas eram a forma mais alta de entretenimento e as mudanças de música popular a seu favor. Durante este período elas também abraçavam homens.

Noites Finais:
Enquanto as Filhas da Cacofonia foram um mistério na Era Victorian, nas Noites Finais, elas são considerados um enigma ainda maior. Sua história não é bem conhecida, nem é a sua existência. Os membros da linhagem normalmente usam a guerra Sabbat/Camarilla, e até mesmo Anarquistas para promover seus próprios objetivos com base no território em que residem. Embora elas pareçam ser bastante desinteressadas na Jyhad, deixam seus motivos reais questionáveis.

Cultura:
Não se sabe muito sobre as Filhas da Cacofonia como um todo, apenas que sua linhagem particular evita os problemas noturnos da Jyhad. Tipicamente os membros desta linhagem adaptam-se à Seita que se encaixa melhor em seus interesses naquele momento. Como seu número é tão pequeno, a organização é questionável. Curiosamente, todos os membros das Filhas da Cacofonia parecem variar desde roqueiras de heavy metal à divas cantoras de ópera.

Organização:
As filhas não têm nenhuma organização formal - seus números são tão poucos e distantes entre que qualquer local determinado é improvável haverem uma ou duas delas (se houver alguma). Quando as Filhas se congregam por qualquer motivo, os membros mais jovens da linhagem muitas vezes se diferem dos mais velhos.

Alguns Membros têm sido testemunhas de pequenas assembléias de Filhas que executam canções de beleza assustadora ou timbre assustador que deixam seu público ... comovido. Foi observado por estudiosos Cainitas, em mais de uma ocasião, que mesmo nas actuações mais improvisadas todas as Filhas presentes parecem saber exatamente o que será cantado além de todos os versos.

Filhos da Dissonância:
Contrariamente à crença popular, os Filhos da Dissonância, ou Barítonos e assim por diante são uma criação apócrifa de fãs, inicialmente. As Filhas são uma linhagem inteiramente feminina, então não demorou muito para que o fandom começasse a discutir o ramo masculino das Filhas, os Filhos da Discórdia. Chegou ao ponto em que a maioria dos fãs assumiu que eles eram oficiais.

A única menção oficial de qualquer coisa parecida com os Filhos da Discórdia veio com Vampiro Revisado Vampire: The Masquerade Companion Storytellers. A descrição das Filhas mencionou que a linhagem tinha recentemente expurgado todos os membros do sexo masculino da linhagem, removendo assim os Filhos da linhagem permanentemente.

Em 2014, By Night Studios lançou Teatro do Olho da Mente - Vampire: The Masquerade , que descreve os Filhos da Discórdia como um subsídio recente da linhagem. Os machos são geralmente sangue ligados a seus senhores do sexo feminino, e são tratados com desconfiança por seus Anciões .

Diferenças de Versão:
Em Victorian Ages: Vampire, há uma vaga referência a uma mulher Toreador emergindo dos experimentos torcidos (veja acima). No entanto, em Vampiro: a Máscara, as Filhas da Cacofonia são considerados um moderno clã , que poderiam ser tomadas para significar que seu surgimento no mundo era recente, ou a sua existência só foi descoberta como da tarde. No entanto, ambas as versões relatam que este clã provém mais provável da linha principal Toreador.

O Abraço: [S1]

Criação de Personagem:
Atributos Sociais costumam ser primários. Expressão e Performance são quase sempre altos, e muitas têm Fama. Sereias que "morrem" costumam colher Rebanho de seus fãs; outras mantém Contatos no mundo do espetáculo.

Aparência:
Uma Sereia pode ser uma cantora de rua vestida por um chique brechó vintage, uma roqueira punk tatuada e com piercings, ou uma apresentadora da alta classe com muito dinheiro e prestígio. Tirando o fato de serem na maioria mulheres, suas aparências variam muito.

Refúgio:
A maioria das Sereias possuem muito espaço com boa acústica, onde podem cantar sem ninguém possa ouvir. Por mais que amem performar, preferem ficar sozinhas após o "show", assim a aparência de seus Refúgios não é tão importante, quanto mantêm-los em segredo.

Antecedentes:
A maioria das Sereias são cantoras de antes do abraço. Muito raramente, uma Filha da Cacofania abraça alguém que nunca desenvolveu o canto, mas mesmo estas desenvolvem rapidamente seus talentos após o abraço. Elas não discriminam nenhum estilo musical: cantoras de Jazz, metal pesado, gótica, diva de opera, sensual performista - qualquer uma pode ser uma Sereia.

Referências:
[S1] V20: p. 39-40.
[S2] Victorian Age: Vampire (book), p.157-158
[RDM]: Revelations of the Dark Mother (WW 2024)
http://vampirerpg.free.fr/Genealogy/Daughter.html

Referências:

Eros
Admin

Localização [Jogador] : São Paulo
Idade [Jogador] : 36
Data de inscrição : 01/01/2017
Mensagens : 10

Ficha do personagem
Personagem:
Clã:

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum